NOTÍCIAS

Há 50 anos, a cultura hip hop nascia numa festa de periferia para mudar o planeta

Há 50 anos, uma festa de rua num bairro de periferia mudaria todo o curso da história. É sempre difícil cravar uma data precisa no nascimento de um movimento, de um gênero musical ou de uma cena cultural pois estes fenômenos tendem a ser frutos de processos que se desenvolvem em paralelo e só ganham relevância e importância com o passar do tempo. Mas quando falamos do surgimento da cultura hip hop há quase um consenso de que no dia 11 de agosto de 1973 algo específico aconteceu.

Quando o jovem DJ Kool Herc, com apenas 18 anos à época, organizou uma festa no número 1.520 da avenida Sedgewick no bairro periférico nova-iorquino do Bronx, ele pode colocar em prática algumas técnicas que vinha desenvolvendo ao colocar músicas nos bailes em que era convidado para tocar, ao mesmo tempo em que outras manifestações artísticas estavam presentes.

Mas o impacto daquela nova música em disco logo seria sentido no mundo todo e em pouco tempo vários jovens começaram a se inspirar em fazer música rimando sobre batidas. Até mesmo no Brasil o single teve um impacto imediato, quando foi lançado no Brasil por ninguém menos que o apresentador Miéle, que o traduziu como “Melô do Tagarela”, lançado no ano seguinte.

A coisa começou a ficar séria em pouco tempo. O sucesso de vendas e no rádio de “Rapper’s Delight” pavimentou o caminho para novos artistas e o single “The Message”, do grupo Grandmaster Flash & The Furious Five, pela primeira vez passou a descrever a vida na periferia de Nova York, algo que foi assimilado por novos artistas: Afrika Bambaataa, Warp 9, Cybotron e Kurtis Blow aos poucos ampliavam os horizontes do novo gênero, absorvendo referências musicais de fontes improváveis (rock, música eletrônica, disco music e cânticos tribais) e trazendo novos instrumentos, como a bateria eletrônica e o sampler, para aquele movimento que também deixava de ser local.

Ao mesmo tempo artistas de outros gêneros, com o grupo de new wave Blondie e a cantora soul Chaka Khan, assimilavam o rap em seus hits. O impacto global do rap seria catapultado pelo trio Run DMC, que puxou toda uma nova safra de artistas (LL Cool J, Beastie Boys, Boogie Down Productions, Public Enemy, Eric B & Rakim, Gang Starr) que quebrou barreiras sociais e culturais.

 

Uma manifestação que nem era considerada como sendo musical logo faria apresentações lotadas, ganharia veículos como a revista “Rolling Stone” e a emissora MTV, estaria entre os discos mais vendidos primeiro nos Estados Unidos e depois do resto do planeta, ainda nos anos 80.

É nesta época que esta cultura chega de vez ao Brasil, com manifestações que se materializaram em discos de artistas como Thaíde & DJ Hum, MC Jack, Código 13 e, claro, os Racionais MCs.

Estes foram influenciados diretamente por uma nova variante do rap que surgiu ainda nos anos 90, quando artistas de Los Angeles criaram o chamado gangsta rap, que funcionava como um contraponto para o rap feito em Nova York.

Mais pesado tanto musical quanto liricamente, o gangsta rap foi o ponto de partida do grupo NWA, que revelou artistas como Ice Cube, Eazy-E e Dr. Dre (produtor que, além de lançar-se em carreira solo, também revelou mais tardes outros rappers, como Snoop Dogg, Eminem e 50 Cent). Este novo gênero foi a base para o rap brasileiro durante os anos 90, década que consolidou os Racionais como principal nome da cultura hip hop brasileira, que atingia níveis nunca imaginados de popularidade.

De lá para cá a influência do hip hop é inescapável. Além da onipresença do rap tornou o gênero a principal referência musical do pop deste século – influenciando artistas brancos tão diferentes da cultura hip hop quanto as Spice Girls, Katy Perry, Taylor Swift, Britney Spears e os Backstreet Boys -, o gênero também conseguiu impor artistas negros ao topo do pop como não se via desde o auge de Michael Jackson, nos anos 80.

Artistas como Beyoncé, Drake, Jay-Z, Pharrell, Kendrick Lamar e Rihanna – só pra ficar nos maiores – são os frutos mais populares desta longa genealogia. O mesmo acontece no Brasil, quando vemos nomes como Emicida, Djonga, Rico Dalasam, Don L, Tasha & Tracy, Flora Matos, BK e Rincon Sapiência (além, claro, dos próprios Racionais, seja como grupo ou nas carreiras solo de Mano Brown, Ice Blue, Edy Rock e KL Jay) fazem parte da nossa paisagem pop. Essa experiência aconteceu em diversos países, sempre criando suas próprias hierarquias nacionais do rap – que em muitos casos se encontram.

 

Além do rap, a cultura do DJ – amplamente divulgada pelo hip hop – é mais popular do que ter uma banda de rock (ou grupo vocal ou carreira solo) e transcende essa própria cultura, ao misturar-se com outras variantes de música eletrônica para dançar.

O break foi completamente incorporado à dança contemporânea e tem campeonatos mundiais cada vez mais populares, além do graffiti ter ultrapassado as paredes da rua e invadido as galerias de arte e paredes públicas – com endosso de governos – em todo o mundo.

E imaginar que tudo isso começou numa festa de rua num bairro da periferia de Nova York há meio século…




11/08/2023 – Rádio Religare 35

COMPARTILHE

SEGUE A @RADIORELIGARE35

(35) 99939-0903

contato@radioreligare35.com
Pouso Alegre MG – BRASIL

NO AR:
BLACK IN LOVE - RÁDIO RELIGARE 35