NOTÍCIAS

Em nova música, rapper indígena questiona ostentação de ouro por artistas

Katu Mirim aborda o genocídio de pessoas indígenas e denuncia garimpo ilegal para extração do minério; rapper Rincon Sapiência reagiu

A rapper, cantora e compositora Katu Mirim lançou a música “Bling Bling”, que compõe o álbum “Cura” e questiona a ostentação de ouro em músicas de rap, funk, trap e no movimento Hip-Hop. A artista sustenta sua crítica ao denunciar a extração ilegal em terras indígenas. 

O caso repercutiu nas redes sociais também por conta do visualizer da música, onde a rapper mastiga cordões de ouro e os cospe com sangue. As imagens impactam também por conta da letra, onde a cantora expõe as condições de trabalho para a extração do minério.

“Afirmação não está mais no ouro não, então recorde/ O que brilha no teu corpo no meu ele só faz cortes /72 hours, ostentação para nós agora isso é morte/ 72 hours, pra viver tem que ser forte e ter sorte/ Tem que ser forte e ter sorte/ Sua riqueza causa pobreza, estupro e destruição/ Quem patrocina o garimpo não é a minha religião/ No teu peito tem pingente de ouro em formato de balas/ Yanomami é o alvo, aqui o tiroteio não para” diz a primeira parte da música. 

Com a repercussão, Katu Mirim publicou um vídeo que traz uma explicação sobre o garimpo ilegal em terras indígenas, mas após diversas denúncias, o conteúdo foi bloqueado pelo instagram. 

Após críticas, a rapper falou sobre o movimento negro não apoiar a causa indígena. O também rapper Rincon Sapiência respondeu a cantora e disse que o ouro para a cultura negra e ancestral é mais que ostentação, é identidade e representatividade. 

 Em resposta ao cantor, Katu Mirim apontou a necessidade de entender o contexto histórico vivido e ressaltou que na era pós revolução industrial o ouro que grandes artistas usam está marcado com o sangue negro e indígena. 

 

A artista encerrou a discussão indicando um documentário que mostra a relação do movimento Hip-Hop, principalmente nos Estados Unidos, com o ouro. “Será que a sua vontade é maior que o genocídio dos povos indígenas?” questionou a rapper.

Quem é Katu Mirim?

Nascida no interior paulista, Katu Mirim foi adotada por um casal não-indígena. Aos 13 anos soube que era filha biológica de pai indígena e mãe negra. A bisavó materna da artista foi sequestrada da aldeia em que morava e tem como ascendente o povo Boe Bororo, originário do Mato Grosso e escravizado em Jundiaí (SP).

A cantora ganhou notoriedade quando levantou um debate sobre pessoas usarem símbolos indígenas como fantasias, de maneira indiscriminada e questionou se a utilização era realmente uma “homenagem”.
Katu Mirim estreou no rap em 2017 com o single “Aguyjevete” , que trata da resistência do povo negro e indígena. “Cura”, o mais novo álbum da artista, conta com dez faixas e está disponível nas principais plataformas digitais.




05/03/2024 – Rádio Religare 35

COMPARTILHE

SEGUE A @RADIORELIGARE35

(35) 99939-0903

contato@radioreligare35.com
Pouso Alegre MG – BRASIL

NO AR:
PROGRAMAÇÃO MUSICA - RÁDIO RELIGARE 35